HIPERTENSÃO – Causas, sintomas, diagnóstico e tratamentos.

Hipertensão:

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença que afeta milhões de pessoas no Brasil e em todo o mundo.Estudos comprovaram que aproximadamente 20% da população do planeta tem níveis de pressão arterial acima do normal.Em idosos,a hipertensão é ainda mais freqüente,acometendo mais da metade dessa população.

A hipertensão é um fator comum de risco para doenças que afetam o sistema circulatório,ou seja, os vasos sanguíneos e o coração e também pela perda rápida de função neurológica, decorrente do entupimento (isquemia)ou rompimento (hemorragia) de vasos sanguíneos cerebrais.

Outros problemas graves como insuficiência renal,aneurismas e lesões nos vasos sanguineos dos olhos,podem ser causados pela hipertensão,outro problema que não podemos deixar de citar,é que além dos problemas relatados acima,a hipertensão é uma doença silenciosa,que não provoca sintomas na maioria dos casos,portanto,a única forma de se saber se alguém é hipertenso é através da aferição da pressão arterial.

O que é hipertensão:

A pressão arterial é a pressão que o sangue exerce sobre as paredes das artérias do nosso corpo.Imaginem uma mangueira toda vazia e murcha,ao abrirmos a torneira,a pressão dentro da mangueira eleva-se e suas paredes distendem-se.Como a mangueira é um sistema aberto, o fato da água sair por uma das extremidades impede que a pressão sobre a parede da mangueira fique muito elevada.

No corpo humano o sistema circulatório é fechado,portanto,se a pressão sanguinea dentro dos vasos for se elevando,o sangue não tem pra onde ir,e a única coisa que o organismo pode fazer é distender os vasos sanguineos de forma a comportar o volume de sangue circulante.

Teoricamente,os vasos sanguineos se regulam automaticamente,ou seja,eles se dilatam e se comprimem de acordo com o volume de sangue circulante,mantendo dessa forma a pressão arterial mais ou menos constante.Se o volume sanguineo diminui,os vasos se comprimem,o que chamamos de vasoconstrição;e se o volume de sangue aumenta,os vasos se dilatam o que chamamos de vasodilatação.Mas existem limites para esse processo,se o volume de sangue diminui ou aumenta de forma excessiva,por mais que as artérias se comprimam ou se expandam,elas não vão conseguir manter a pressão arterial em um nível satisfatório ou adequado.

Portanto,podemos entender que uma das causas da pressão arterial,é o aumento excessivo do volume de sangue dentro dos vasos sanguineos,esse excesso ocorre quando o organismo retém muito sal e água.

Porém a maioria dos pacientes hipertensos não tem excesso de líquido no organismo,pelo menos não o suficiente para ultrapassar a capacidade de dilatação dos vasos sanguineos;o que ocorre é uma falha na capacidade de auto-regulação.As artérias ficam sempre mais comprimidas que o necessário para que a pressão arterial fique normal.
Quanto menor for a capacidade dos vasos de se auto-regularem conforme o volume de sangue presente,maior é o risco do paciente desenvolver hipertensão arterial.

Os casos mais graves costuma ser aqueles no qual o paciente tem um real excesso de volume sanguineo,e seus vasos não são capazes de se dilatarem para comportar o aumento da pressão em suas paredes arteriais.

Pressão arterial sistólica e diastólica:

O coração bombeia o sangue através de seus batimentos.Quando o coração se contrai,ele expulsa o sangue de seu interior em direção aos vasos.Quando ele relaxa,volta-se a encher de sangue;essa alternância de contração e relaxamento,ocorre em média,de 60 a 100 vezes por minuto.

A pressão sobre as paredes arteriais é pulsátil,ou seja,aumenta na fase de contração, e diminui na fase de relaxamento.

Pressão arterial sistólica – Este valor é denominado de pressão arterial máxima, e é correspondente ao valor aferido no momento em que o coração bombeia uma quantidade de sangue para os vasos sanguineos. Normalmente este valor pode variar entre os 120 a 140 mmHg(milímetros de mercúrio), sendo estes os valores mais comuns para que se tenha uma pressão arterial normal.

Pressão arterial diastólica – Este valor é conhecido como a pressão arterial mínima, correspondente ao momento em que coração volta a se encher para retomar todo o processo da circulação.Em condições normais,esse valor está na média dos 80 mmHg.

Estágios da hipertensão:

A pressão arterial normal é,portanto,aquela na qual as artérias não ficam sob estresse e o coração não fica sobrecarregado.Atualmente,os níveis de pressão arterial para adultos,idosos e adolescentes são divididos da seguinte forma:

Pressão arterial normal – Pacientes com pressão igual ou normal menor que 120 mmHg e pressão diastólica igual ou menor que 80 mmHg.

Pré-hipertensão – Pacientes com pressão sistólica entre120 e 139 mmHg,ou pressão diastólica entre 80 e 89 mmHg.
Hipertensão estágio 1-Pacientes com pressão sistólica entre 140 e 159 mmHg ou pressão diastólica entre 90 e 99 mmHg.

Hipertensão estágio 2 – Pacientes com pressão sistólica acima de 160 mmHg ou prassão diastólica acima de 100 mmHg.

Crise hipertensiva – Pacientes com pressão sistólica acima de 180 mmHg ou pressão diastólica acima de 110 mmHg.

Os valores descritos acima são usados para diagnosticar e classificar a hipertensão,porém,esses valores não servem como parâmetro para o tratamento.Nos pacientes hipertensos usando medicamentos,os valores que desejamos alcançar são:

Adolescentes e adultos jovens – A pressão arterial deve ficar abaixo de 140/80 mmHg.

Adultos com mais de 60 anos que não tenham diabetes ou doença renal crônica – A pressão arterial deve ficar abaixo de 150/90 mmHg.

Adultos com mais de 60 anos que tenham diabetes ou doença renal crônica – A pressão arterial deve ficar abaixo de 140/90.

 

Fatores de risco:

A hipertensão arterial, na grande maioria das vezes, não tem uma causa conhecida. Sabe-se que além da herança familiar, hábitos como comer alimentos com excesso de sal, estresse, peso acima do ideal, sedentarismo e tomar bebidas alcoólicas em excesso, aumentam os riscos de desenvolver hipertensão.

Outros fatores que podem levar a hipertensão:

Fumo;
Consumo de bebidas alcoólicas;
Obesidade;
Estresse;
Consumo de sal em excesso;
Níveis altos de colesterol;
Falta de atividade física;
Diabetes;
Sono inadequado.

Além desses fatores de risco, sabe-se que a incidência da hipertensão aumenta com a idade. Isso porque com o tempo,nossas artérias começam a ficar envelhecidas, calcificadas, perdendo a capacidade de dilatar.Com isso a hipertensão arterial é mais fácil de acontecer.Cerca de 70% dos adultos acima dos 50 ou 60 anos possuem a doença.

Sintomas:

Alguns sintomas de hipertensão são dor na nuca, sangramento nasal, tontura e vermelhidão facial.
As pessoas com hipertensão não controlada apresentam um risco três vezes maior de apresentar um ataque cardíaco e sete vezes de ter um derrame cerebral.

Uma pressão mais alta que 14 por 9 medida duas vezes, em dias diferentes, evidencia a hipertensão.

Outros sintomas que podem ser hipertensão:

Dificuldade em adormecer e dormir durante toda a noite, um sono agitado, alguma irritabilidade e inquietação interna,problemas com os ouvidos (zumbidos nos ouvidos),dores de cabeça ou tonturas em condições de stress psicológico ou físico.

Nas mulheres com cerca de 50 anos de idade, os sintomas de hipertensão podem ser semelhantes aos sintomas da menopausa (afrontamentos, tonturas, flutuações de humor).

Nos homens de meia-idade, a hipertensão não tratada pode surgir como um problema associado à virilidade (disfunção erétil).

Falta de ar, dor no peito, e/ou aperto no peito durante o esforço, podem ser sintomas de doença cardíaca possivelmente desenvolvida devido à hipertensão continuada.

A arritmia também pode ser causada pela hipertensão.

Diagnóstico:

O diagnóstico da hipertensão arterial é basicamente estabelecido pelo encontro dos níveis da pressão arterial permanentemente elevados,acima dos limites de normalidade, quando esses níveis são determinados por métodos e condições apropriadas.

Portanto, a medida da pressão arterial é o elemento crucial para estabelecer o diagnóstico de hipertensão arterial.

Tratamento:

O tratamento para a hipertensão, é feito com a ingestão de medicamentos anti-hipertensivos receitados pelo médico(cardiologista), que devem ser administrados diariamente. O tratamento ainda inclui algumas medidas importantes, como a prática de atividade física, alimentação saudável, combate ao tabagismo e redução da ingestão de bebida alcoólica.

O controle natural da hipertensão pode ser feito através de uma boa alimentação, perda de peso, prática de atividade física e o combate ao tabagismo.

Alimentos que combatem a hipertensão:

Verduras,legumes,frutas,hortaliças,carnes magras,leite desnatado e derivados do leite,na versão light.

Alimentos que deve-se evitar em caso de hipertensão:

Alimentos industrializados,comidas congeladas vendidas no supermercado,embutidos,enlatados e alimentos que contêm muito sal ou sódio, como biscoitos, bolos prontos, pão de forma, caldos de temperos, biscoito cream cracker, batata chips e batata palha.

É importante reduzir a quantidade de sal e de sódio na alimentação para apenas 5 gramas diários.

Saiba mais:

Alimentos que combatem a hipertensão:

Possíveis complicações:

A hipertensão não controlada,pode acometer alguns órgãos,como por exemplo:

Coração – A hipertrofia do ventrículo esquerdo (espessamento anormal do músculo cardíaco , resultante de uma sobrecarga crônica causada pelo aumento da pressão arterial) é uma das primeiras anormalidades cardíacas decorrentes da hipertensão arterial.

Embora o seu diagnóstico possa ser feito pelo eletrocardiograma, o exame de ecocardiograma (que analisa as estruturas do coração por ondas de ultrassom) é mais preciso para essa finalidade.

A presença de hipertrofia ventricular em pacientes hipertensos confere um pior prognóstico,ou seja,um maior risco de outras complicações cardiovasculares,como o infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e derrame cerebral.Outras complicações cardíacas da hipertensão arterial são:angina do peito, infarto do miocárdio,insuficiência cardíaca, arritmias cardíacas e os distúrbios da condução elétrica do coração.

Cérebro – A isquemia cerebral transitória é uma disfunção neurológica reversível,geralmente durando poucos minutos.O acidente vascular cerebral ou derrame cerebral é uma disfunção neurológica mais duradoura,podendo deixar sequelas graves.

O derrame cerebral poderá ser causado por uma obstrução ou sangramento de uma artéria cerebral (acidente vascular cerebral isquêmico e hemorrágico, respectivamente).A demência vascular é a perda progressiva das funções mentais, como a memória e a concentração. Esta condição é fruto do comprometimento de pequenos vasos no cérebro, que são os derrames lacunares.

Rins – A hipertensão arterial crônica leva a complicações renais(insuficiência renal), inicialmente detectada através de pequenas perdas urinárias de proteínas.Com o passar do tempo, essa perda poderá tornar-se crescente.Numa etapa posterior, poderá surgir uma falência dos rins (insuficiência renal crônica).A hipertensão arterial e o diabete millitus são a principal causa de insuficiência renal crônica.

Vasos sanguineos – A arterosclerose (formação de placas de gordura ou ateromas na parede das artérias) e as doenças da aorta (aterosclerose , aneurismas e dissecção aórtica aguda) estão diretamente relacionados à hipertensão arterial crônica.

Olhos – A hipertensão arterial acarreta um comprometimento da retina (retinopatia hipertensiva), podendo chegar à cegueira.

Prevenção:

Apesar de ser uma disfunção genética, a hipertensão pode ser gerada por hábitos de vida inadequados, como a ingestão excessiva de sal ou de bebida alcoólica, além da obesidade e do sedentarismo. Na maioria das vezes, não apresenta sintomas e apenas com o controle da pressão arterial,é possível comprovar sua a incidência.

Uma das forma de prevenção é fazer o acompanhamento dos índices da pressão arterial,principalmente se pais, avós ou outros parentes próximos também tenham hipertensão.

Hábitos saudáveis que previnem a hipertensão:

Pratique exercícios físicos;
Faça caminhadas de três a cinco vezes por semana;
Evite alimentos muito gordurosos, frituras, doces e salgados;
Evite ingerir bebidas alcoólicas.Elas baixam a pressão e quando se unem aos efeitos dos medicamentos podem causar complicações;
O tabagismo também é grande agravador do aumento da pressão arterial. Por isso, o indicado é parar de fumar;
Evite o estresse, ele pode dificultar o controle da pressão;
Não interrompa o tratamento com remédios, sem a orientação do médico de confiança.

Leia mais:

Métodos e hábitos que previnem a hipertensão:

Saiba mais sobre hipertensão! Pesquise abaixo!

Pesquisa Personalizada
Botão de chamada CHS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*