FEBRE REUMÁTICA – Causas, Sintomas, Tratamentos e Prevenção

Febre Reumática:

Febre Reumática, também conhecida como reumatismo infeccioso, é uma doença inflamatória autoimune que se desenvolve após a infecção causada pela bactéria Estreptococo beta-hemolítico do grupo A, a mesma que causa a Escarlatina, outra doença infecciosa.

Comum em todo o mundo, a doença pode provocar lesões nas válvulas cardíacas e levar o paciente ao óbito. A doença afeta ainda as articulações, a pele e o cérebro do indivíduo doente. Nem todos os pacientes acometidos pela bactéria causadora desenvolvem a Febre Reumática. A doença pode ser confundida com um caso de amigdalite grave.

Causas:

Infecções causadas pela bactéria Streptococcus pyogenes (ou estreptococo do grupo A), como a faringite estreptocócica e escarlatina, são o ponto de partida para a febre reumática. Essa doença se manifesta como uma complicação de um processo inflamatório anterior.

Mais especificamente, a febre reumática é considerada uma doença autoimune, em que o sistema imunológico, por razões desconhecidas, passa a identificar células e tecidos saudáveis do corpo como invasores, atacando-os e causando diversos problemas à saúde. As causas exatas da febre reumática ainda não foram totalmente esclarecidas.

Fatores de risco:

Apesar disso, sabe-se que alguns fatores podem aumentar o risco de uma pessoa vir a desenvolver um quadro de febre reumática. Entre eles, estão:

Histórico familiar:

A causa para a febre reumática pode estar no sangue. Algumas pessoas podem carregar um ou mais genes que as tornam mais propensas a desenvolver a doença.

Tipos de bactérias do estreptococo:

Certos tipos de bactérias do estreptococo são mais propensos a levar à febre reumática, como as bactérias causadoras da escarlatina e da faringite estreptocócica.

Fatores ambientais:

A ocorrência de febre reumática está associada a alguns fatores exógenos, como superlotação, falta de saneamento básico e outras condições que podem resultar na transmissão e contaminação pelas bactérias do estreptococo.

Idade:

A febre reumática costuma aparecer com mais frequência em crianças e adolescentes dos seis aos 15 anos de idade.

Sintomas:

Os sintomas incluem febre, dores nas articulações, movimentos involuntários dos músculos e ocasionalmente erupção cutânea sem comichão conhecida como eritema marginatum.

O coração é afetado em cerca de metade dos casos. Os danos às válvulas cardíacas, a conhecida doença reumática cardíaca, geralmente ocorrem depois de múltiplos ataques, mas por vezes um único ataque pode lesar essas estruturas. As válvulas cardíacas danificadas podem provocar insuficiência cardíaca, fibrilação atrial e endocardite infecciosa.

Tratamento:

O tratamento visa curar a infecção e prevenir a reincidência, reduzir a inflamação (especialmente no coração e articulações), e restringir a atividade física, o que pode piorar as estruturas inflamadas.

É também importante repouso absoluto. atividade da criança deve ser limitada para evitar articulações tensão inflamado; quando há inflamação do coração, o descanso deve ser mais longo.

Sabe-se que até, pelo menos, 18 anos de idade, pessoas que tiveram febre reumática deve tomar penicilina por via oral ou injeções mensais (intramuscular) para facilitar a prevenção da doença.

Finalmente, devemos mencionar que, se a febre reumática se repete, o médico pode recomendar que o paciente tomar antibióticos de baixa dosagem continuamente, especialmente durante os primeiros 3-5 anos após o primeiro episódio da doença. Complicações cardíacas podem ser graves, particularmente se houver comprometimento das válvulas do coração.

Prevenção:

A febre reumática é uma complicação decorrente de faringites e amidalites mal curadas. A maneira mais eficaz de prevenir a doença é combater o estreptococo do grupo A com antibióticos específicos, sempre sob a orientação de um médico.

Uma vez instalada a enfermidade, o tratamento inclui repouso absoluto no leito e o uso da penicilina benzatina (ou da eritromicina para os pacientes alérgicos à penicilina), de anti-inflamatórios e de analgésicos. Quando há comprometimento cardíaco, a intervenção terapêutica precisa ser mais agressiva.

Recomendações:

Observe a dosagem da medicação prescrita pelo médico, nas infecções de garganta pelo estreptococo. Suspender os remédios antes do prazo previsto pode ser o primeiro passo para complicações graves;

Não se descuide da prevenção de crises recorrentes de febre reumática aguda. Respeite os intervalos determinados pelo médico para retomar o tratamento medicamentoso;

Esteja atento: sem o tratamento adequado, a febre reumática é uma doença com taxa expressiva de mortalidade.

Complicações:

Quando não tratada nas primeiras semanas, a doença cardíaca reumática causa danos permanentes ao coração causando:

Estenose de válvula cardíaca – Obstrução do fluxo sanguíneo, principalmente da válvula mitral.

Regurgitação – Retorno do sangue para a cavidade anterior.

Fibrilação atrial – Batimento irregular e caótico das câmaras superiores do coração (átrios).

Insuficiência cardíaca – Incapacidade do coração de bombear sangue suficiente para o corpo.

Atenção – O conteúdo deste artigo é meramente informativo, e não tem nenhuma intensão de substituir a orientação, o diagnóstico, ou o aconselhamento médico profissional. Por favor, converse com seu médico para maiores informações.

Leia Também:

Aterosclerose:
Esclerose Múltipla:
Esclerose Lateral Amiotrófica:

Saiba mais sobre Febre Reumática – Pesquise abaixo

Pesquisa Personalizada
Botão de chamada CHS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*